O vegetarianismo e o budismo

Jiaoyuan Fa Shakya
Jiaoyuan Fa Shakya

Para muitas pessoas, quando nos convertemos ao budismo, devemos nos tornar vegetarianos. Isso não é verdade. Para ser budista não há necessidade de ser um vegetariano. Então, por que muitas pessoas acreditam neste fato? Há uma razão histórica para tal crença. Sakyamuni (Buda histórico) era um príncipe que se tornou ascético e sua vida ascética teve uma forte influência dos jainistas, que levam ao extremo o princípio da não-agressão, conhecido como Ahimsa. Por exemplo, alguns jainistas usam uma máscara ou pano sobre o nariz e a boca para evitar perturbar os insetos com sua respiração

Embora Shakyamuni tenha sido fortemente influenciado pelo jainismo, há muitas interpretações sobre o consumo de carne pelos budistas. No Zen Budismo às vezes é recomendado que o vegetarianismo seja praticado como um ato simbólico de compaixão. Mas não uma obrigação, exceto nos mosteiros onde os monges fazem um voto de não consumir carne. Para os praticantes ou sacerdotes que vivem fora de mosteiros, o vegetarianismo não é necessário.

Muitas pessoas estão a tornar-se vegetariano (ou, ainda mais, veganos) por acreditar que desta forma serão pessoas melhores. É uma boa atitude a pensar nos animais com a mesma compaixão que se pensam nas pessoas. Mas em algumas situações, muitas pessoas caem na armadilha do ego e se entitulam “seres humanos mais evoluídos” (Aliás, sabia que Adolf Hitler era vegetariano?). E como é possível deduzir, os vegetarianos não são pessoas melhores do que os não vegetarianos.

Não quero dizer que não devemos nos preocupar com o bem dos seres vivos, como eu disse anteriormente, a compaixão é um princípio ético do Zen Budismo. É comum para os budistas, no final de suas práticas meditativas dedicar os méritos da prática para o benefício de todos os seres. Mas precisamos entender uma verdade: Não há vida sem morte. É possível consumir carne de forma consciente e respeitando todos os seres. Por exemplo, devemos entender que a carne veio de um animal particular (que certamente não queria morte) e que não devemos desperdiçar.

Desperdiçar não é simplesmente jogar fora sobras de carne. Comer mais do que o necessário (por exemplo, para satisfazer o apetite desordenado e não para alimentação) é uma forma de desperdício. Definir a necessidade fisiológica para o consumo de carne é um trabalho para um profissional capacitadi (jovens e adultos têm necessidades diferentes de acordo com seu biotipo, ocupações, etc.), mas, em média, um adulto pode comer 300 gramas de carne vermelha por semana . Assim, se a população mundial de consumir apenas as suas necessidades nutricionais, muitos animais estariam a salvo da morte.

Uma prática viável é abster-se de comer carne uma vez por semana. No primeiro dia, seria possível observar as opções de alimentação vegetariana e ingerir uma dieta diferente do resto da semana. A prática do vegetarianismo é muito nobre, mas não é acessível a todos. Em algumas situações, a rejeição de um determinado alimento pode causar um sério desequilíbrio para nós e para os outros. Há casos de mulheres veganas que durante a gravidez sentem a necessidade de comer carne, e assim elas fazem. Eu acho que é a coisa certa. Muito mais importante do que uma escolha pessoal é a responsabilidade que têm para com a nova vida que está por vir. Vegetarianos que são julgados pessoas melhores do que os não-vegetarianos, honestamente, não são de todo respeitosa da vida, e o inverso também é verdadeiro.

Que os méritos da nossa prática beneficiem a todos os seres!

Amituofo!